Terapia Ocupacional

Reabilitação Cardiovascular

É qualquer movimento do corpo produzido pelos músculos esqueléticos que levam a um gasto de energia bem maior do que na situação de repouso (por exemplo: passar roupa). Já o exercício é a execução sistemática de uma atividade com propósito especifico (por exemplo: caminhar para perder peso). A atividade física é eficaz na prevenção, tratamento é reabilitação das doenças cardiovasculares, e a inatividade física esta associada a um aumento de quase duas vezes do risco de desenvolver doenças arteriais coronarianas.

Benefícios:

Pessoas de qualquer idade com doenças cardiovasculares podem se beneficiar da atividade física regular e moderada, exceto quando contra-indicada pelo medico cardiologista. Diversos são os benefícios da atividade física para pessoas com problemas cardiovasculares, entre os quais a redução dos sintomas de anginas e da falta de ar, ajuda no controle da pressão arterial, melhora da atuação da insulina em pessoas com tendências a diabetes e uma melhor qualidade de vida e de humor. Porem, você deve interromper a sua atividade física se apresentar, durante o esforço, dor ou desconforto no centro do peito ou por trás das mamas, que pode ou não se espalhar para os ombros, pescoço, queixo ou braços; tonturas ou sensação de desmaio; dificuldade para respirar; sudorese excessiva, e náuseas.

Indicações:

Conforme o I Consenso Brasileiro de RC (1997), os programas de RC estão indicados para:

a) indivíduos preventivos primários, tais como os portadores de hipertensão arterial, dislipidemias, hiperuricemia, diabetes, tendência à obesidade, etc.

b) indivíduos preventivos secundários portadores de doença coronariana, arritmias cardíacas, pós-infarto do miocárdio, pós-revascularização miocárdica e pós-angioplastia, pós-transplante cardíaco, colocação de marcapasso, pós cirurgias valvulares, etc.

Contra indicações:

Insuficiência cardíaca descompensada, IAM instável, angina estável de grau IV e instável, miocardite ativa, pericardite aguda, aneurismas de aorta torácica ou abdominal, embolias pulmonar ou sistêmica recentes, tromboflebite, hipertensão pulmonar ou arterial grave não tratada, estenose aórtica e insuficiência mitral graves, taquicardia ventricular em repouso, infecções agudas, lesão de tronco de coronária esquerda ou equivalente, não tratadas, obstrução arterial periférica graus III, IV e V, retinopatia diabética com deslocamento de retina.